Exercícios para tocar two hands no baixo

Olá, neste artigo sobre exercícios para tocar two hands no baixo iremos disponibilizar alguns exercícios para você poder praticar o two hand ou tapping, bem como as explicações de como executá-la.

O quê é a técnica two hand?

Conciliar a técnica de two hands com um bom “time” é o princípio básico a quem deseja executá-la perfeitamente. Para isso, nada melhor que contar com a ajuda do metrônomo, que precisa ser usado com bom senso e dentro do limite técnico de cada músico. Por muitas vezes, as dificuldades aparecem no primeiro contato com determinada linha, mas os resultados certamente aparecerão se houver treino e paciência.

Vale ressaltar que no two hands, ou tapping, as duas mãos trabalham em regiões diferentes do braço do instrumento, ao contrário do pizzicato, em que ambas se movimentam para tocar uma mesma nota. Portanto, este recurso exige que os dois membros tenham postura técnica corrretas, ainda que estejam funcionando independentemente.

Para que você tenha sucesso, trabalhe as linhas separadamente em todos os exercícios, atentando para que as duas partes se mantenham na pulsação correta. Depois, quando já estiver bem treinado, execute-a por completo. Vamos ver então alguns exercícios para tocar two hands no baixo.

Exercícios para tocar two hands no baixo

Exercício 1

Note que a linha foi elaborada basicamente com a figura rítmica de mínima, que equivale a dois tempos (duas batidas do metrônomo). Primeiro, toque-a com apenas uma mão por vez, aumentado a velocidade aos poucos até se sentir seguro. Em seguida, reduza novamente o andamento ao ponto inicial e trabalhe com as duas mãos ao mesmo tempo. Fique atento à duração de cada nota, não a deixando soar por mais ou menos que dois tempos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exercício 2

Este exemplo possui a seminima, que equivale a um tempo, como figura rítmica. É fácil, mas o baixista deve ter boa coordenação para interpretá-lo corretamente. A mão esquerda ataca as cordas com os dedos 1 e 3, enquanto a direita utiliza os dedos 1 e 2. Na segunda parte da execução, os mesmos dedos são usados, mas em ordem contrária.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exercício 3

Ao contrário dos anteriores, este exercício foi elaborado com estruturas rítmicas diferentes para cada mão. É essencial estudar suas metades separadamente para depois treinar a execução da linha completa.

Em ambas as partes, há mínimas, semínimas e colcheias, que se alternam a cada dois compassos. Respeite as pausas e, quando estiver trabalhando com as duas mãos, regule o metrônomo em 60 bpm. Depois, tente atingir velocidades maiores (recomenda-se 220 bpm), desde que as notas não soem emboladas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exercício 4

A mão esquerda executa as tônicas enquanto a direita emprega double stops, um fundamento do two hands que consiste em tocar duas (ou mais) notas ao mesmo tempo — neste caso, a quinta e a oitava —, normalmente com o intuito de gerar uma sonoridade de acorde.

Perceba que a levada inclui, antes das mudanças de harmonia, algumas aproximações cromáticas. É importantíssimo o uso do metrônomo para treiná-la, já que as fundamentais estão em semínimas na cabeça dos tempos. O acorde (mão direita), por sua vez, é executado no contratempo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exercício 5

Aparentemente, este exemplo parece fácil, mas traz grandes dificuldades em sua parte rítmica as notas têm como valor rítmico a semínima tercinada, em que três notas são tocadas a cada dois tempos. As alturas da mão esquerda estão localizadas nos tempos 1 e 3, ao passo que as subdivisões da direita é feita um pouco antes do tempo 2 e entre as pulsações 2 e 3. No início, é um pouco complicado entender este esquema: outra partitura assim que você se acostumar a ele, a execução sairá sem dificuldades.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exercício 6

Entre os exercícios para tocar two hands no baixo este é o que apresenta uma contagem diferente, pois a fórmula de compasso é de 7/4, ou seja, cada mensuração equivale a sete batidas do metrônomo, todas subdivididas em semicolcheias. O arranjo exige grande velocidade, o que requer muito cuidado do instrumentista na hora de tocá-lo em velocidades baixas: se o estudo não estiver sendo realizado do jeito certo, as notas vão soar “sujas” quando executadas rapidamente (preferencialmente, a 140 bpm). Em relação à postura das mãos, a mão esquerda movimenta os dedos 1 e 3 e a direita, 1 e 2. Inverta-os na segunda parte da linha.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espero que tenham pegado bem a idéia e que esses exercícios para tocar two hands no baixo renda bons estudos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


× nove = 63