Escala de Guitarra: Escala Maior para velocidade e improvisação

Fala pessoal! Vamos ver então alguns exercícios de Escala Maior para velocidade e improvisação, que com certeza vão ser de grande ajuda! Ao longo da semana vamos fazer várias matérias relativo às escalas de guitarra com exercícios que futuramente irão facilitar a sua vida para ganhar velocidade, técnica e improvisação na hora de tocar guitarra.

Escala de Guitarra: Escala Maior para velocidade e improvisação

A escala maior é uma escala diatônica que se originou pela síntese dos modos eclesiásticos ocorrida na transição do sis­tema modal para o tonal. Sua estrutura intervalar parte de uma fundamental até a sua oitava na seguinte seqüência: T-T-ST-T­T-T-ST (T = tom inteiro, ST = semitom). Se aplicarmos essa seqüência com a nota C como fundamental, teremos a sucessão de notas naturais (C, D, E, F, G, A, B) que formam a escala de C maior mostrada no exemplo 1.

Escala Maior para velocidade e improvisação, Exemplo 1

 

 

 

 

No mesmo exemplo é possível ver que os intervalos gerados a partir da fun­damental da escala maior são: 2M, 3M, 4J, 5J, 6M, 7M, 8J.

A escala maior pode ser transposta e ter qualquer outra nota como fundamental. Para isso, basta aplicar a seqüência de T-T­ST-T-T-T-ST em outra nota. Por exemplo, se pegarmos a quinta nota da escala de C maior (G) como a fundamental de uma nova escala e aplicarmos a seqüência de tons e semitons, teremos a escala de G maior, que possui as seguintes notas: G, A, B, C. D, E, F# e G. Note que essa escala possui apenas uma nota diferente em relação à escala de C maior, o F#, seu sétimo grau. Portanto, podemos tirar um princípio bá­sico de transposição: sempre que pegarmos a quinta nota de uma escala maior como fundamental de uma nova escala, obtere­mos as mesmas notas da anterior exceto pela sétima nota, que será ser elevada em um semitom.

Podemos repetir o processo com a quinta nota da escala de G maior. Assim, obtemos a escala de D maior, formada pelas seguintes notas: D, E, F#, G, A, B, C# e D. A escala de A maior, cuja fundamental é a quinta nota da escala de D, possui as seguintes notas: A, B, C#, D, E, F#, G# e A. A escala de E maior, cuja fundamental é a quinta nota da escala de A, tem as seguintes notas: E, F#, G#, A, B, C#, D# e E. Seguindo com a mesma idéia, a escala de B maior possui as seguintes notas: B, C#, D#, E, F#, G#, A# e B. A escala de F# maior é formada por F#, G#, A#, B, C#, D#, E# e F#. Finalmente, a escala de C# maior, cuja fundamental é a quinta nota da escala de F#, possui as sete notas alteradas com sustenidos. Esse procedimento pode ser chamado de círculo das quintas ascendentes, no qual sempre soma-se um sustenido à última nota de cada nova escala.

Escala Maior para velocidade e improvisação, Exemplo 2

 

 

 

 

 

Veja no Ex. 2 todas as escalas do círculo ascendente de quintas a partir da escala de C maior. Repare que as alterações estão sempre colocadas na armadura de clave para facilitar a leitura.

Se, em vez da ascendente, pegarmos a quinta nota descendente da escala de C maior como fundamental de uma nova escala, teremos a escala de F maior, que difere da escala de C maior por ter a sua cuarta nota com um bemol: F, G, A, Bb, D, E e F. Repetindo o processo, obtere­mos as escalas de Bb maior (Bb, D, Eb, G, A e Bb), de Eb maior (Eb, F, G, Ab, 3b, C. D e Eb), de Ab maior (Ab, Bb, C, 3b, Eb, I, G e Ab), de Db maior (Db, Eb, Gb, Ab, Bb, Ce Db), de Gb maior (Gb, Bb, Cb, Dê, Eb, F e Gb) e a escala de Cb maior, que tem as sete notas alteradas com bemóis. Teremos assim um círculo de quintas descendente (que também pode ser chamado de círculo das quartas), no qual cada nova escala difere da anterior por ter um bemol a mais em sua quarta nota. O circulo de quintas descendentes pode ser visto no pentagrama do Ex 3.

Escala Maior para velocidade e improvisação, Exemplo 3


 

 

 

 

O Ex. 4 mostra como as escalas são distribuídas no círculo de quintas ascen­dentes, que parte no sentido horário da cala de C maior, e no círculo de quin­tas que parte no sentido anti-horário da escala de C maior. Veja também como a ordem de entrada dos sustenidos nas escalas é inversa à ordem de entrada dos bemóis.

Depois de se familiarizar com a estrutura da escala maior e com as transposições, vamos aprender a digitá-las no braço da guitarra.

Escala Maior para velocidade e improvisação, Exemplo 4

 

 

 

 

 

Ordem dos sustenidos

-> FÁ – DÓ – SOL – RÉ – LÁ – MI -SI
<–
Ordem dos Bemois

No Ex. 5 você pode ver as notas da escala de C maior, mostradas no pentagra­ma do Ex. 1, distribuídas por todo o braço ad guitarra. Veja que a fundamental (C) está sempre destacada em vermelho. Para facilitar a memorização, você pode dividir a escala de C’ maior em sete :adrões de digitação, cada um a partir de uma das notas da escala na sexta corda.

Escala Maior para velocidade e improvisação, Exemplo 5

 

 

 

 

 

Note no Ex. 6 como cada padrão passa pelas seis cordas, sendo que três notas são tocadas em cada corda. O primeiro padrão sai da primeira nota da escala (C), oitava casa da sexta corda; o segundo começa na segunda nota da escala (D), décima casa da sexta corda; o terceiro inicia na terceira :cota da escala (E), décima segunda casa da sexta corda; o quarto padrão sai da quarta nota da escala (E), primeira corda da sexta corda; o quinto começa na quinta nota da escala (G), terceira casa da sexta corda; o sexto inicia na sexta nota da escala (A), quinta casa da sexta corda e, por fim, o sétimo padrão sai da sétima nota da escala (B), sétima casa da sexta corda.

Cada um dos padrões pode ser tocado uma oitava acima, assim, o padrão quatro também pode começar na décima terceira casa, o padrão cinco na décima quinta, o padrão seis na décima sétima e assim por diante. Para transpor a escala para outras tonalidades, você deve observar que cada

padrão começa por uma de suas notas. Dessa forma, na escala de G maior, você toca o primeiro padrão a partir de G na sexta corda; o segundo padrão a partir de A; o terceiro a partir da nota B; o quarto a partir da nota C; o quinto a partir da nota D; o sexto a partir da nota E; o sétimo padrão a partir da nota F#. Esse procedimento se repete em todas as tonalidades.

Escala Maior para velocidade e improvisação, Exemplo 6



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Além da escala maior para velocidade e improvisação, nos artigos posteriores colocaremos mais escalas voltadas para o desenvolvimento da velocidade.

Gostou? Compartilhe!

Você pode gostar também:

3 Comentários para “Escala de Guitarra: Escala Maior para velocidade e improvisação”

  1. vailton rosa do carmo disse:

    O portal da musica nao manda a escala para quem toca de ouvido?
    ou seje sem ser na partitura? para quem nao le partitura

    aguardo resp.

Trackbacks/Pingbacks

  1. [...] gostaria de pedir para que você lesse este artigo também relacionado com o mesmo assunto clicando Aqui. Basicamente não há uma fórmula mágica que irá te ajudar a criar ou construir solos de [...]


Deixar Comentário

Opine Já!

O que você quer ver no Portal Música?

  • Teoria Musical (38%, 1.191 Votos)
  • Tablaturas (28%, 895 Votos)
  • Artigos sobre guitarra (24%, 757 Votos)
  • Artigos sobre violão (20%, 641 Votos)
  • Artigos sobre baixo (20%, 637 Votos)
  • Análises de instrumentos (13%, 425 Votos)
  • Backing Tracks (11%, 345 Votos)

Total de Votos: 3.163

Loading ... Loading ...

Estamos no Facebook