Como fazer batidas no violão

De maneira rápida e fácil este tutorial vai ensinar a você a fazer batidas no violão em 20 minutos!

Introdução

Não há dúvidas de que aprender a tocar ritmos e batidas no violão é uma forma de arte em si. Então aqui vamos abordar os maiores desafios que um iniciante poderia ter com ajuda de exercícios que podem ajudar a criar novos ritmos e suavizar velhos padrões que você pode estar lutando. É claro que o poder da observação conta muito, mas as batidas ou strumming também podem ser descritas.

Ao longo dos anos que eu venho ensinando violão, eu desenvolvi um sistema de escrita de padrões de batidas que qualquer pessoa possa aprender a ler com facilidade, mesmo com pouca ou nenhuma formação musical anterior. Mas antes de passarmos para os exercícios, eu gostaria de deixar explicado algumas coisas. Veja estas dicas.

A importância da postura

batidas no violãoA maneira na qual você se senta como também o modo de como você segura o violão pode afetar diretamente a sua capacidade de dedilhar e criar os ritmos. Uma postura adequada muitas vezes corrige pequenos problemas relacionados com a batida e execução de ritmos. Aqui estão algumas sugestões de posturas:

1. Sentar-se reto – Relaxar no sofá enquanto você faz a batidade pode ser algo agradável, mas também pode ser contraproducente ao executar esta técnica. Sentado em um banquinho ou numa cadeira de preferência sem braços fornecem as condições ideias pois te dá livre movimento dos braços e uma melhor postura das costas. Embora haja um grau de subjetividade nisso, o ideal é a curva do seu violão descansar confortavelmente na sua perna direita, enquanto que o braço que você usa para fazer a batida deve apoiar-se ao longo da curvatura superior de seu violão, isso permite com que a sua mão caia livremente em torno da boca do violão.

Uma questão de nota aqui é o encosto e a fadiga. Muitos violonistas queixam-se de suas costas e de fadiga no braço depois de tocar alguns minutos. Isso pode ser causado por uma má postura enquanto toca o violão e pode ser facilmente corrigido (em alguns casos) por simplesmente ajustando a sua postura. Se você está tendo problemas desta natureza, tente corrigir a forma de como você está sentado e veja se isso ajuda a reduzir a fadiga.

2. Em pé – Ao tocar em pé, é sempre importante e altamente recomendável fazer o uso de uma correia  para criar uma postural ideal para você fazer as batidas e palhetadas. O ajuste ideal será uma questão de bom senso do praticante para que ele tenha uma melhor perfomance.

3. Ângulo – O ângulo relativo do violão em relação ao seu corpo pode ser um fator contribuinte, bem como para a qualidade rítmica em geral. Se o violão estiver reto demais, ou posicionado muito para cima ou para baixo, ou se estiver muito esticado na sua frente, tudo isso pode gerar dificuldade na hora de obter uma contato limpo e preciso com as cordas. O negócio é se monitorar para ver como anda a qualidade de seu som. O importante é ter um bom acesso à escala do violão para ter um plano visível para saber o que você está fazendo.

4. Dimensionamento – Encontre um violão que adequa ao seu tamanho para ajudar a ter uma postura apropriada, para facilitar a execução de um bom ritmo. Uma boa dica é você dar uma conferida neste artigo sobre os diferentes tipos de violões acústicos! E acredite, após um longo período tocando ter um modelo mais adequado evita muitos cansaços e ajuda a manter a precisão rítmica.

A Palheta

Este é outro elemento importante, decidir-se entre tocar com a palheta ou fazer as batidas com os dedos é uma escolha essencial para dominar a técnica. No entanto,  a menos que você decida tocar uma música folk ou por alguma ocasião estiver sem uma palheta, você preferencialmente preferirá tocar com uma palheta. Às vezes você vai ouvir artistas contemporâneos, como John Mayer e Jack Johnson fazer batidas com os dedos para alternar com as palhetadas, ou até mesmo para abafar e conseguindo assim uma determinada sonoridade.  Mas 99% dos violonistas preferirão um som mais nítido e limpo de uma palheta.

As palhetas vêm em diferentes formas e espessuras. Mas comece por uma do tipo normal mesmo. Compre umas palhetas finas de espessura média. As mais finas são as mais fáceis de tocar mas muita gente não gosta do seu ataque alto (clique da palheta batendo nas cordas). Com o tempo você pode passar para as médias conforme aprender o básico.

tipos de palhetas

 As palhetas mais pesadas são mais indicadas para solistas ou para uma tocabilidade mais veloz, de modo que vamos deixar este tipo de palheta de fora. (clique neste link para ter maiores detalhes sobre os diferentes tipos de palhetas).

Segurando a palheta

Os iniciantes e eu mesmo antigamente segurava a palheta com o polegar e a ponta dos dedos indicadores e médio. Parecia o jeito mais fácil de manter a palheta enquando a minha mão descia enquanto tocava “Desire” do U2 e “Pinball Wizard” do The Who. Poucos guitarristas gostam da maneira de como o Steve Howe segura a sua palheta desta maneira, mas a maioria segura a palheta como na foto abaixo, com a palheta entre o polegar e o lado do dedo indicador.

como segurar a palheta

Eu gosto desta pegada porque ela dá mais controle enquanto estiver tentando palhetar cordas individuais.  Uma vez que muitas canções requerem tanto palhetadas quanto batidas, eu sugiro aprender desta maneira primeiro. Se mais tarde você preferir mudar a pegada como o Steve Howe faz para apenas fazer as batidas, sinta-se à vontade.

Fazendo batidas com a palheta

A coisa mais importante aqui é você se lembrar de sempre manter o seu braço em um constante movimento up-down, mesmo batendo nas cordas ou não. Isto age como um metrônomo, ajudando a você a se manter na levada da canção.

Exercício 1
Vamos praticar este princípio ao fazer todas as batidas em ataques pra baixo, uma palhetada por batida. Vamos dar uma olhada em como eu escrevo esses padrões:

D   D   D   D
1 + 2 + 3 + 4 +

A linha superior, no caso a letra “D”, significa downstroke, ou seja, você fará ataques para baixo, no caso de aparecer “U”, será o upstroke, ou ataques pra cima. A linha inferiror (os números) significa as batidas do compasso. Conforme você tocar, conte junto dizendo em voz alta “um-e-dois-e-três-e-quatro”, ou em inglês mesmo conforme no vídeo. Você desce o braço sobre nos números e sobe o braço quando tiver no “e ou and”. Por exemplo, quando falar “um” você desce o braço e quando falar “e” você sobe e assim por diante.

Neste exercício toque todas as cordas pra baixo, e quando chegar no final do compasso (quarta batida), repita imediatamente.

Exercício 2
Agora vamos tentar com batidas pra baixo e pra cima.

D U D U D U D U
1 + 2 + 3 + 4 +

Faça batidas a partir do cotovelo – seu punho deve estar relaxado, mas sem mover muito. A maior parte do movimento vem ao flexionar o cotovelo.

Exercício 3
Em seguida, eu quero que você pratique usando o seu braço como um metrônomo, mantendo o movimento para cima e para baixo, mesmo quando não estiver tocando, este é o padrão:

D
1 + 2 + 3 + 4 +

Mesmo que muitos músicos famosos não usem o braço para manter as coisas no ritmo certo, eles certamente usavam outras partes do corpo como: bater os pés, balançar as cabeça, etc..

Exercício 4
Agora você está tocando duas vezes por compasso. Mantenha o braço em movimento!

D       D
1 + 2 + 3 + 4 +

Exercício 5
Aqui está a primeira parte de um padrão folk de batidas. Tente sentir o feeling sendo iniciado.

D   D U
1 + 2 + 3 + 4 +

Neste vídeo é apresentada uma nova maneira de usar a sua voz para ajudá-lo a fazer as batidas. Até agora, vimos as constagens sendo feitas em forma  “one-and-two-and-three-and-four-and.” mas conforme esses padrões vão ficando mais complexos, acho que fica mais fácil dizer “down” e “up” coforme você toca. Este padrão não é tão dificíl, mas o próximo é…

Exercício 6
Este é o padrão mais sincopado até agora. Músicas sincopadas naturalmente salientam as batidas pra cima, e neste caso, temos duas batidas pra cima seguidas. Músicas sincopadas são mais difíceis de tocar, mas sem ele o funk e outros ritmos do gênero ficariam orfãos.

D   D U   U
1 + 2 + 3 + 4 +

Exercício 7
E aqui está o exercício considerado o santo graal para os iniciantes que querem aprender a fazer batidas no violão, é um padrão clássico:

D   D U   U D U
1 + 2 + 3 + 4 +

Podemos dizer que os outros eram apenas exercícios de aquecimento, esse é um padrão rítmico de fato, e é usado em uma tonelada de músicas. Então continue a praticar até que consiga tocar esse ritmo mesmo dormindo. Experimente tocar “Blowin’ in the Wind” do Bob Dylan ou se quiser algo menos folk, tente “Come as You Are?” do Nirvana.

 Espero que vocês tenham gostado deste tutorial, e assine o nosso Feed e fique por dentro das novidades :)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


quatro × 8 =