Aprenda sobre Walking Bass Line ou Linhas de Baixo

Neste artigo, vamos dar uma olhada em um conceito que está se tornando cada vez mais popular: combinar acordes de acompanhamento com a linha de baixo andante (walking bass line). Nos dias de hoje, é comum músicos que tocam ao vivo se encontrarem em uma situação onde precisam tocar sem banda, como por exemplo uma apresentação solo ou em dupla. Conseguir fazer o walking bass line e acompanhar os acordes ao mesmo tempo é uma habilidade sem preço, que permite à você trabalhar bem em situações que outros guitarristas não conseguiriam.

O que é o Walking Bass Line ou Linha de Baixo Andante?

O walking bass line consiste em notas emitidas sempre no pulso (sincopadas), criando uma linha de contraponto que acompanha a harmonia do trecho sendo tocado. O resultado é a sonoridade de um baixo andante, ou seja, que não pára de  tocar, mantendo uma pulsação constante, andando pela música entre as notas que compõem a melodia, como em uma progressão harmônica. A técnica é comum no Jazz, onde o contrabaixo possui além de sua utilização harmônica, uma função rítmica importante. Você pode ouvir guitarristas utilizando esta técnica em Blues.

Vamos agora descrever os passos para que você possa aplicar o conceito de linha de baixo andante corretamente:

1- Walking Bass line: Tocar as notas fundamentais

O primeiro passo consiste em aprender como “andar” uma linha de baixo. Trata-se de tocar as notas fundamentais de cada acorde nas cordas mais graves (A e E), da guitarra. No exemplo 1 abaixo, a fundamental de cada acorde em um acorde F (blues) são escritas nas cordas mais graves (mais embaixo na imagem).

Walking Bass Lines
Exemplo 1

2- Walking Bass line: Aproximar Notas

No passo seguinte você deve adicionar um “nota de aproximação” em cada fundamental. Uma nota de aproximação é uma nota usada antes da linha do baixo chegar até a nota fundamental do próximo acorde, geralmente sua vizinha. As notas de aproximação podem ser diatônicas (pertencentes ao acorde ou escala) ou cromáticas (não pertencentes ao acorde ou escala).

Um exemplo prático seria você tocar um acorde F7, então suas notas de aproximação seriam o E (abaixo) ou F# (acima).

Isto permite-nos adicionar um senso de voz principal (voice leading) para nossa linha de baixo e imediatamente nos remete ao idioma do jazz, pois notas cromáticas são bem comuns no jazz. Estamos agora tocando aquilo que os baixistas chamam de “meio tempo”, onde meia nota é o foco rítmico na linha sendo executada.

Walking Bass Lines
Exemplo 2

Perceba que agora temos uma mudança rítmica nos dois últimos compassos. Pelo fato dos acordes se moverem duas vezes mais rápido nesses dois compassos, temos que usar semínimas quando adicionarmos nossas notas de aproximação. Isto nos remete ao passo 3, que demonstra aquilo que os baixistas chamam de “walking time” (tempo andante) onde a semínima é o foco da linha.

3- Walking Bass line: Andando com o Baixo

Agora que introduzimos a semínima no exemplo 2, podemos “andar” com a linha de baixo através da progressão de blues. Quando adicionamos notas extras, há duas coisas importantes para se ter em mente.

A primeira é que a última nota antes de uma mudança de acorde deve ser nossa nota de aproximação, agora escrita como uma semínima. Segundo que podemos usar qualquer nota da escala ou arpejo para preencher as notas restantes.

Uma coisa importante a se levar em consideração é o uso do Ab no primeiro compasso sobre o acorde F7. Esta nota pode ser vista de dois ângulos, sendo primeiramente pertencente a escala blues de F e a segunda que ela conecta cromaticamente G com A, nossa nota de aproximação. Novamente, vemos um exemplo de notas cromáticas sendo adicionadas à linha para torná-la mais entusiasmante.

Walking Bass Lines
Exemplo 3

4- Walking Bass line: Os Acordes

Agora que conseguimos tocar através da linha de baixo em metade e também no tempo andante, estamos prontos para adicionar algumas vozes de acordes em nossa linha. O próximo passo então seria apanhar algumas vozes fáceis que se encaixem na nota fundamental de cada acorde. Claro que existem muitas vozes que preencheriam bem estes acordes, mas nosso propósito é de procurar duas formas básicas: 6432 e 5432 (formas de grupo de cordas).

Walking Bass Lines
Exemplo 4

5- Walking Bass Line: Combinando o Andamento com o Acompanhamento

Agora que nós temos a linha de baixo e os acordes nos dedos, é hora de uni-los. Por agora, iremos apenas colocar os acordes na primeira batida de cada novo acorde ou novo compasso. Quando conseguir executar isso facilmente, adicione as  vozes em qualquer batida. Você pode adicionar também inversões e substituições de acordes que você acha que encaixariam bem.

Walking Bass Lines
Exemplo 5

6- Walking Bass Line: Adicionar Notas de Aproximação

O último passo é adicionar vozes de acordes em cima das notas de aproximação. Isto irá adicionar uma sofisticação harmônica à linha e ao mesmo tempo preencherá o espaço sonoro com a voz. Os acordes escritos entre parênteses são os nomes de cada nota de aproximação. Você irá perceber que cada acorde de aproximação é a voz exata do próximo acorde, somente um traste acima ou abaixo. Isto irá ajudar na hora de tocar esses acordes.

Walking Bass Lines
Exemplo 6

Veja abaixo um exemplo de walking bass na guitarra:

 

Conseguir criar e tocar linhas de baixo (walking bass line) e preenchê-las com acordes é uma habilidade ótima, que será muito útil especialmente em situações onde se toca sozinho, dupla ou até num trio onde não há um baixista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


9 + = treze